Artigos Sobre

Artigos Sobre
Como escolher a relva Curiosidades sobre relva Decoração de exterior grama Infos Relva Natural Instalação do relvado jardim Manutenção da relva Manutenção do relvado Plantas Problemas no relvado Relva artificial relva natural relva para animais relva sintética sebes Tendências varandas

Produtos Mais Vendidos

Grass FOOD (adubo) - grass4you
Grama Brasileira - grass4you

Grama Brasileira

€80.00

Grass FOOD (adubos) - grass4you
Grass REPAIR (mistura de sementes)
O inverno sempre chegou e as temperaturas tem vindo a baixar.
 
Nas coberturas o manto branco de gelo é bem visível de manhã e o verde vai-se perdendo, dando lugar a coberturas mais amareladas, fruto do “queimar” parcial ou por vezes total das plantas que o compõe.

 

A comumente chamada grama brasileira (Axonopus compressus), muito utilizada e em grande expansão no nosso país, sendo uma planta originária do continente americano, com principal incidência em países de clima tropical e subtropical, não deixa de se ressentir no inverno.

 

Apesar de se adaptar bem a diferentes regiões, inclusive frias e com geadas, não é uma boa aposta para climas muito quentes e secos. Dá-se a pleno sol e a meia-sombra, formando um tapete denso.

 

grama-brasileira-temperaturas
 
Com desenvolvimento ótimo a registar-se em temperaturas médias de 19 -27ºC, apesar da utilização de variedades mais resistentes e adaptadas, a verdade é que a planta praticamente cessa o seu desenvolvimento, a cor verde perde intensidade e as pontas começam a secar.

Formas de minimizar os danos das temperaturas baixas na grama brasileira:

  • Fertilização atempada com o objetivo de proporcionar uma maior resistência à planta.
  • Utilização do sistema de rega para “quebra do gelo” (regas curtas de cerca de 2 minutos, dependendo dos equipamentos de rega, e realizadas pela manhã em horário em que a temperatura registada não permita uma nova “congelação”).
  • Cortes altos no período de outono e inverno (acima dos 3 cm)
  • Aplicação de bioestimulantes (bioestimulante é um composto derivado de substâncias naturais, contendo substâncias ativas e/ou microrganismos que, quando aplicados à planta, promovem uma maior eficiência do uso de nutrientes e um incremento da tolerância a stresses bióticos e abióticos).
Apesar deste “pequeno senão”, a cobertura de grama continua a ser uma boa opção, pelo seu desenvolvimento, maior tolerância ao ensombramento e humidade, maior resistência ao pisoteio e excelente capacidade de rejuvenescimento.

Do aspeto menos “bom” no inverno, temos a vantagem de uma menor manutenção, se bem que esta convém sempre existir a fim de minimizar os danos e potenciar uma recuperação mais rápida.

Tem dúvidas. Contacte-nos AQUI

Deixe um comentário

Tenha em consideração que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos.