As principais doenças dos relvados

Sabe quais são as principais doenças dos relvados?

A manutenção dos relvados pode ser complicado, assim identificamos algumas das principais doenças dos relvados que não devem ser ignoradas:

  • Brown Patch (Rhizoctonia sp)

Uma das doenças mais disseminada que pode afetar quase todos os relvados em é a  RHIZOCTONIA. Esta é uma doença de primavera, verão e outono.(A infecção progride rapidamente quando a temperatura nocturna do ar se situa acima dos 20 ºC.)

Embora seja relativamente fácil identificá-la porque os relvados apresentam manchas redondas de relva seca (5cm a mais de 1m), com o interior verde (olho de sapo) e as folhas podem apresentar manchas de cor de palha com o contorno entre o castanho e o preto.

Esta doença pode aparecer em qualquer área relvada e espalhar-se facilmente.

Medidas a adoptar:

  • Evitar as regas noturnas, sobretudo no verão (humidade nas folhas durante a noite);
  • Evitar a aplicação de adubos azotados líquidos no verão;
  • Utilizar preferencialmente adubos ternários com rácios de 3:1:2;

Tratamento: Felizmente, as soluções para controlar esta doença são numerosas e eficazes. Os fungicidas Iprodiona, Clorotalonil + Propiconazol e Azoxistrobina são os mais indicados.

 

  • Pitium (Pythium sp) 

É uma doença que se manifesta principalmente no Verão (Junho, Julho, Agosto e Setembro) em sementeiras novas e ressementeiras. Requer temperaturas altas (> 30° C), humidade e excesso de adubos azotados.

À superfície do relvado formam-se manchas irregulares, oleosas  entre o amarelo-acinzentado e o castanho-escuro, de 2 a 15cm de diâmetro, que podem coalescer até cerca de 3m de diâmetro.

Posteriormente, as plântulas morrem e tornam-se de cor castanha clara e por fim  bronze alaranjado.

Nas folhas atacadas aparece uma espécie de algodão branco, principalmente no principio da manhã (micélio do fungo). A doença estende-se por faixas, seguindo a deslocação da água.

Medidas a adoptar:

  • Favorecer um crescimento racional (fertilização equilibrada), evitando fertilizações azotadas;
  • Evitar as regas excessivas e promover a boa drenagem do solo, evitando fenómenos de encharcamento;
  • Promover a descompactação do solo.

Tratamento: Tratamento com fungicidas (Fosetil de alumínio, Azoxistrobina).

Pitium (Pythium sp)

  • Fusariose fria (Microdochium nivale) 

É uma doença que apresenta um risco mais elevado em outubro /novembro, incluindo períodos de gelo. Os sintomas iniciais incluem pequenas manchas circulares, em média com 2,5 a 30cm de diâmetro.  Podem  ter uma cor branca / rosa pálido, passando a cor de palha com um anel exterior castanho alaranjado.

Ocorre com temperaturas elevadas e em condições de seca, aplicações excessivas e/ou desiquilibradas de azoto na primavera ou verão, corte a uma altura inferior à recomendada, presença de 'tatch' (tapete radicular e excessivamente denso de relva morta que asfixia o bom desenvolvimento do relvado).

Também são visíveis manchas nas folhas quando expostas a longos períodos de humidade.

Medidas a adoptar:

  • Utilizar adubos à base de Potássio (P);
  • Evitar os adubos excessivamente ricos em Azoto (N);
  • Não reduzir a altura de corte;
  • Eliminar a “manta morta”;
  • Regar menos vezes mais tempo, numa altura em que as folhas sequem rapidamente.

Tratamento: Tratamento com fungicidas (Iprodiona, Clorotalonil + Propiconazol (....), Azoxistrobina) são os mais indicados.

Fusariose fria (Microdochium nivale)

  • Ferrugem (Puccinia sp)

Esta doença manifesta-se de junho até ao final de setembro. É favorecida por um crescimento deficiente, provocado por falta de nutrientes e/ou pela alternância de períodos secos e húmidos. As ferrugens afectam todas as espécies de relva.

O aspecto geral da relva é castanho amarelado. O mais típico da doença é a presença de manchas pulvurolentas alaranjadas (“ferrugem”) nas folhas infectadas, especialmente ao longo das nervuras.

Medidas a adoptar:

  • Fertilização bem equilibrada à base de Azoto (N) e Potássio (K);
  • Se possível manter a altura de corte de 5cm e aumentar a frequência dos cortes, para retirar o material infectado antes que se espalhem os esporos;
  • Regar de forma equilibrada, de preferencia eliminando a rega ao final da tarde/principio da noite.

Tratamento: Tratamento com fungicidas (Clorotalonil + Propiconazol, Azoxistrobina) são os mais indicados.

Ferrugem (Puccinia sp)

  • Fio encarnado (Laetisaria fusiformis)

Pode desenvolver-se a temperaturas entre 0-30ºC, nos períodos de formação de orvalho, nevoeiro e/ou chuvas pouco intensas, podendo também desenvolver-se em situações em que a relva cresce lentamente, baixas temperaturas, seca ou fertilização inadequada.

As folhas infectadas ficam castanhas no meio de zonas sãs, tornando-se depois secas com aspecto de palha. O micélio do fungo é muito característico e dá o nome à doença. Trata-se de filamentos vermelhos que saem das folhas infectadas. O micélio adquire um aspecto “pegajoso” em condições de humidade persistente.

Os meses mais favoráveis ao seu aparecimento são março, abril, maio, setembro, outubro e novembro, apresentando um risco maior em outubro / novembro, incluindo períodos de gelo.

Medidas a adoptar:

  • Fertilização bem equilibrada à base de Azoto (N) e Potássio (K).

Tratamento: Tratamento com fungicidas (Azoxistrobina, Clorotalonil + Propiconazol, Iprodiona) são os mais indicados.

 Fio encarnado (Laetisaria fusiformis)

Saiba mais sobre jardins, aqui. 


Deixe um comentário

Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos

Shopify secure badge Top