Artigos Sobre

Artigos Sobre
Como escolher a relva Curiosidades sobre relva Decoração de exterior Grama brasileira Infos Relva Artificial Infos Relva Natural Instalação do relvado Jardins Manutenção do relvado Plantas Problemas no relvado Relva artificial Relva e animais domésticos Relva natural Sebes naturais Tendências Varandas e terraços

Produtos Mais Vendidos

Grass FOOD (adubo) - grass4you
Grama Brasileira - grass4you

Grama Brasileira

€80.00

Grass FOOD (adubos) - grass4you
Grass REPAIR (mistura de sementes)

As características do solo podem influenciar significativamente o sucesso das plantas.
Neste artigo vamos exemplificar como usar técnicas científicas para determinar as características do solo, os seus componentes e o seu respetivo papel.

 

 1. Composição e tipos de solo

 

O solo é uma combinação de elementos orgânicos e inorgânicos. Esses elementos combinados conferem ao solo um conjunto de características físicas, químicas e nutricionais.

 

As partes inorgânicas do solo são a areia, a argila e o limo. Estes três elementos têm diversos tamanhos e dimensões.

 

  • A areia é tridimensional, redonda e granulada;
  • O limo também é tridimensional e redondo, mas é muito mais pequeno do que a areia e tem uma textura semelhante à da farinha;
  • A argila é muito mais pequena que o limo, sendo que as partículas de argila são planas.

 

A quantidade, ou percentagem que cada um destes elementos está num solo influencia a drenagem e nutrição do solo:

  • quanto mais arenoso for o solo, maiores as partículas e consequentemente maior a drenagem. Isto é ótimo para o movimento da água e o arejamento, mas também implica que é mais difícil manter a água no lugar, dado que estes tipos de solo tendem a ser excessivamente drenados.
  • quando passamos de areia para limo, a retenção da água aumenta e drenagem diminui.
  • Em solos argilosos, a argila, com as suas pequenas partículas planas, que tendem a formar placas quase impenetráveis, a drenagem é mínima e o arejamento difícil.

 

Do ponto de vista nutricional, ocorre o inverso:

  • A areia é má a reter nutrientes, sendo frequente o recurso a fertilizações adicionais neste tipo de solos.
  • O mesmo ocorre com o limo. Isto ocorre porque não se conseguem ligar a nutrientes.
  • A argila, pelo contrário, pode ligar-se aos nutrientes, segurá-los e depois libertar certos nutrientes e ficar com outros.

 

O segundo componente do solo para considerar é o material orgânico, que traz muitos benefícios. O material orgânico:

  • melhora a humidade do solo. A maioria dos materiais orgânicos pode absorver e depois libertar, lentamente, humidade.
  • Pode também melhorar a drenagem e o arejamento, particularmente o material orgânico mais grosseiro, além de fornecer nutrientes.

Qual é o nível ideal de material orgânico para as plantas?

A combinação de dois fatores, água e temperatura, ajudam a determinar o que será um nível sustentável de matéria orgânica no solo. A água determina se a decomposição ocorre. Mais água implica mais decomposição, o que se traduz em mais matéria orgânica no solo. A temperatura, por sua vez, funciona de forma similar: mais calor traduz-se em maior decomposição.

 

 

2. Tipos de solo

 

Várias propriedades físicas caracterizam o solo, como a estrutura, a textura, a porosidade, a permeabilidade, a coesão e a cor.  A textura é a propriedade física do solo que menos sofre alteração ao longo do tempo, e é muito importante na agricultura pois tem influência direta na infiltração e na retenção de água, no arejamento e na coesão do solo, bem como na nutrição das plantas. 

O solo que tem é terra vegetal pura ou é solo ‘artificial’, com diversos níveis de folhas trituradas, composto, etc. como parte do material orgânico?

Os testes laboratoriais são importantes para determinar o conteúdo mineral e outros atributos químicos, mas para determinar a textura do solo, basta água e os seus dedos.

Primeiro, molhe uma pequena amostra do solo até estar totalmente humedecida e maleável. Isto divide os agregados e permite ver as características que ajudam a classificar o solo.

O solo (amostra) não deve estar encharcado; se estiver, adicione mais terra até obter uma amostra humedecida.

Em seguida, aperte uma parte do solo húmido na sua mão, observe a bola que se formou e compare com as descrições abaixo:

  • Areia - Solo arenosos: são soltos e arenosos; dado que não seguram bem a humidade, não são coesos. Quando espremido na palma da mão, os solos arenosos podem formar uma bola, mas desmoronam-se quando são tocados.
  • Solo franco-arenoso: como no caso da areia, estes solos predominantemente arenosos têm uma textura arenosa, mas a presença de silte (limo) e/ou partículas de argila torna-os mais coesos e transmitem uma sensação ligeiramente pegajosa. Quando espremidos, este tipo de solo forma bolas frágeis que podem ser manuseadas suavemente antes de se desfazerem.
  • Solo franco: os solos francos contêm quantidades relativamente equivalentes de areia, silte e argila, sendo mais pegajosos que os arenosos. Os solos húmidos formam bolas que podem ser facilmente manuseadas sem desmoronar.
  • Solo franco-limoso: Os solos franco-limosos têm alto teor de limo e pouca argila. Como os solos francos, formam bolas que podem ser facilmente manipuladas.
  • Silte: os solos limosos geralmente formam torrões quando secos, mas são facilmente esmagados, transformando-se em pó tipo farinha. Quando húmidos, os solos limosos tornam-se sedosos e formam bolas lisas que podem ser manuseadas com cuidado, mas a falta de argila torna-as mais frágeis.
  • Solo franco-argiloso: como os solos limosos, os solos franco-argilosos também formam torrões quando secos, mas são muito mais pegajosos quando húmidos, devido à maior quantidade de argila que contêm. Este tipo de solo é o que tem a distribuição mais equilibrada de argila, areia e limo na sua composição. O solo franco-argiloso forma bolas pesadas que sobrevivem a uma manipulação ‘à bruta’.
  • Argila - Solos argilosos: são os que têm mais textura; formam torrões quando secos e bolas duras quando húmidos.

 

Muitas vezes, são necessárias mais informações para distinguir entre as texturas do solo. É aqui que o teste do dedo é útil.

 

  • Teste do dedo

Pegue numa porção da sua amostra de solo humedecida e esfregue-a entre o polegar e os dedos. Tente formar uma ‘fita’ (rolinho) com o material e compare os seus resultados com as descrições abaixo.

  • Areia: os solos arenosos não formam fitas.
  • Solo franco-arenoso: este tipo de solo forma uma fita muito fraca e granulada, que se quebra facilmente.
  • Solo franco: forma fitas um pouco granuladas, suaves, que podem chegar a medir pouco mais de 1 cm. antes de partir. Não guarda impressões digitais.
  • Solo franco-limoso: este tipo de solo forma uma fita fraca, suave, com textura de sabonete, que quebra facilmente
  • Silte: O solo limoso é suave e liso quando esfregado entre os dedos, mas não forma fitas.
  • Solo franco-argiloso: este tipo de solo forma fitas finas de 2cm de comprimento antes de quebrar. Embora possam mostrar algum lustro, as fitas franco-argilosas não contêm impressões digitais distintas.
  • Argila: Os solos argilosos formam fitas longas, finas e lustrosas; mantêm impressões digitais.

 

 tipo de solo

 

 

  • Teste do frasco
    • Remova 1 ou 2 porções de terra do solo da área a plantar e coloque o solo num frasco de vidro, por exemplo.
    • Encha o frasco até meio com água.
    • Agite e deixe descansar por duas horas para que as partículas assentem. As partículas de areia mais pesadas irão depositar-se no fundo, depois o limo e por fim, no topo, a argila.
    • Meça a altura das três camadas de solo e depois a altura de cada uma delas.

 teste do frasco

 

 

  • Divida a altura da camada pela altura total para encontrar a percentagem de cada tipo de solo no frasco.
  • Aplique estes números ao quadro “Classificação do Solo”.

 

 classificação do solo

 

 Classificação do solo

 

 

3. Porque é importante conhecer a textura de um solo?

 

  • Permite-lhe saber/decidir qual a cultura mais adequada que deve ser instalada num dado terreno.
  • Indica-lhe quais os adubos azotados mais adequados que deve aplicar (tendo em conta a forma do azoto).
  • Indica-lhe a quantidade de adubo a utilizar;
  • Indica o tipo de correção a fazer ao seu terreno agrícola consoante a textura do mesmo.
  • Permite-lhe estimar os consumos de água e a quantidade de água a aplicar ao seu terreno.
  • Permite-lhe averiguar se o seu solo será ou não à partida, fácil de ser trabalhado pelas máquinas agrícolas.
  • Indica-lhe se o solo tem ou não fixação suficiente para as plantas/culturas.

 

Em termos de substrato o que a relva gosta é areia, para sua segurança areia de rio lavada, para evitar a contaminação com infestantes e a presença de materiais de natureza granulométrica fina. A granulometria da areia deve situar-se a 90% entre 0,5 e 2 milímetros e a sua natureza não deve ser calcária.

Não se preocupe que os areeiros, como fornecem a areia para construção, têm sempre estas análises feitas às suas areias. Para conferir ao substrato capacidade para reter água, será conveniente misturar a areia com turfa castanha ou vermelha, numa proporção de 8/9 partes de areia para 2/1 parte de turfa (seca) misturadas previamente ou no terreno, em volume.

Deixe um comentário

Tenha em consideração que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos.